quinta-feira, 21 de outubro de 2010

o corte, o sangue que corre em nossa pele






Um corte feito é como uma saída de escape. Agente precisa de algo para aliviarmos a dor lá de dentro, e esta parece ser uma das únicas maneiras. O vermelho do sangue correndo na nossa pele pálida nos conquista. A dor do corte já não existe mais. O alívio imediato é uma coisa impressionante e viciante, que com o tempo já não faz tanto efeito. Precisamos mais e mais. Por que fazemos isso afinal? Talvez não exista um porquê. Somente quem pratica esse ato entende o que ele nos proporciona. O alívio, a dor, o sangue, a tristeza. Tudo se mistura, nos deixando solitárias, abandonadas e vazias.

_____

escrevi esse texto agora, enquanto olhava minhas cicatrizes. já não me corto faz algum tempo, mas elas ainda estão ali, me mostrando um passado que não posso apagar. eu resisto, eu proibi a mim mesma de me cortar. porquê? porque eu gosto do corte. não há outro porquê. eu gosto da lâmina na minha pele, do sangue, do alívio. aquilo me entorpece, me deixa 'viciada'. quando começo a me cortar, não consigo mais parar. por isso eu to evitando de começar. sei que não vai durar muito tempo essa minha 'abstinência'. mas vou continuar assim até quando eu conseguir.

2 comentários:

  1. Me identifico muito com esse post... mas venho tentado parar com os corte... gosto disso, mas isso vem me destruído por dentro, e meu objetivo é ficar magra e linda, e não uma magra cheia de cicatrizes... pensemos nisso ...

    ResponderExcluir
  2. Eu me indentifico muito com esse post,é bem isso que acontece,se cortar simplismente me faz bem.Mesmo que ninguem acredite nisso me alivia muito!

    ResponderExcluir